Ale Koga

Ale Koga

Escreve sobre sua vida, seu Universo e tudo que contém nele. Vive na ponte-aérea Criciúma/SC - São Paulo/SP.

Categorias:

Como saber a hora certa de demitir um cliente?

Pois é… A vida toda sempre estivemos do outro lado da mesa, onde somos demitidos ou ameaçados de demissão pelo cliente ou empresa caso não cumpramos com o combinado ou as expectativas dele não sejam atendidas. Mas, o que acontece muito quando somos freelancers é que naturalmente ganhamos o “super poder” de demitir clientes.

Pode soar insano e sem fundamento pensar em demitir cliente quando você é a sua própria empresa e ter as contas pagas depende deles, mas é certo que existem clientes que não valem o dinheiro e nem as noites de sono mal-dormidas. Assim como na vida pessoal temos que aprender a falar não, na profissional também.

Sinais de que é hora de parar e pensar se está valendo a pena

Falta de respeito
Se tem algo que a gente não deve tolerar é falta de respeito. Não é porque o cliente paga que ele pode pintar e bordar em cima de você e pra mim, em qualquer relação, se não tem respeito não rola. E a falta de respeito vai desde a maneira como ele te trata e passando principalmente pela maneira como ele trata o seu trabalho e as condições que foram combinadas no ato da contratação.

O santo não bate
Tem outra situação que aprendi a identificar: simplesmente não consigo trabalhar quando os propósitos e valores do cliente não batem com os meus. Tem cliente que vai tentar o “topa tudo por dinheiro”, que é negligente com a própria marca e imagem, enfim… é hora de pensar se vale a pena mesmo trabalhar com algo contra a sua vontade mesmo que a moeda de troca seja um contrato gordo.

Quando você quer mais que o cliente
É praxe quando o cliente é novo,  mergulhar no universo dele ter mil e uma ideias que vão muito além do trabalho. O que é perfeitamente normal e aceitável afinal a intenção é ajudá-lo e não simplesmente ganhar dinheiro. Mas, de repente, você se pega com um elefante branco nas mãos, sem direcionamento, sem foco e sem supervisão de um adulto simplesmente porque o cliente não está tão envolvido e comprometido com o trabalho combinado ali no começo e acaba largando tudo na sua mão. Difícil, né?

Quando você se torna um mero executor
Se o cliente te contrata como especialista ou buscando algo que ele não sabe fazer, ele precisa confiar em você. Tem muito cliente que não quer uma cabeça pensante. Ele quer alguém para executar as coisas que ele não sabe fazer. Se você tem o perfil de fazer somente o que lhe foi pedido e consegue lidar com a frustração de saber que pode fazer mais mas não colocará nada em prática, ok go ahead! Caso contrário, seja fiel a você e ao seu trabalho e entenda que talvez esse cliente precise de outro perfil de profissional.

Conclusão

Demitir um cliente parece agressivo demais, mas nada mais é do que acertar os ponteiros e ver se a relação está valendo a pena. Igualzinho a gente faz com uma amizade, um namoro, um relacionamento.

No começo é estranho pensar dessa maneira pois não é algo habitual mas quando você entende que o trabalho é uma via de mão dupla e que sem a troca não tem trabalho e contrato que durem, as coisas ficam mais claras e fáceis de entender e até mesmo executar.

Posts recomendados:

Gostou do que leu? Deixe seu comentário =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.