O dia que eu me revoltei com a social media

Hoje acordei frustrada e desacreditada das mídias sociais. Cuido de várias contas de clientes de diversos ramos e o que mais vejo são perfis usando bots, curtindo e “interagindo”. Não tem conteúdo raiz, não tem comentário sincero, não tem like por afinidade, não tem análise humana do que está acontecendo. Só existe a busca desenfreada por números. Ninguém mais acredita em conteúdo real, em trabalho a longo prazo, em conquista de números reais. Gestores, produtores de conteúdo, “xoxa media”, os influenciadores, mídia, jornalistas… Todos hipnotizados pelos jóinhas e coraçõeszinhos. Os números são importantes SIM! Eles nos ajudam a mensurar, a entender, a direcionar e a justificar investimentos, mas chega de hipervalorizar “seguidores x seguidos”, “minha página tem mais curtidas do que a sua por isso é mais relevante”, etc.. Eu sou super a favor de utilizarmos as ferramentas que estão disponíveis no mercado para auxiliar e otimizar processos mas até elas precisam de uma configuração “humana” que realmente otimizem o trabalho, senão acabam virando um robô caça-like sem propósito. Então, profissionais e gestores de comunicação… repensem a estratégia e os números que estão valorizando nas redes sociais. Mais amor e verdade no que fazemos, menos fake numbers pra agradar o ego. E palmas para quem segue acreditando e tentando educar o pessoal sobre o que é realmente o trabalho de um social media e fazendo a diferença. E clientes: acordem e pensem antes de contratar por preço ou por like. Contratem por resultado efetivo em vendas. Like não vale nada se não gera venda ou retorno para a sua empresa. *texto originalmente publicado no meu...