Gerente de marketing da NetShoes dá dicas de marketing digital

Ontem me deparei com esse link  na timeline de alguma rede social e apesar do tema “dicas de marketing digital” estar um pouco batido, quando vi que  eram do Bruno Couto, gerente de marketing da NetShoes, dei um crédito afinal é notável o excelente trabalham que eles realizam. Transcrevi alguns pontos abaixo: A riqueza do marketing digital é poder ter a profundidade dos dados dos clientes. Conhecer a jornada do consumidor e entender quais são os conteúdos e meios relevantes do consumidor para ser mais assertivo e relevante para ele na mensagem. Segmentar todos os estímulos para o consumidor: – device – momento do dia – propensão de consumo do conteúdo – estímulos criativos – apostas comerciais – relacionamento do consumidor com a marca Ter clareza no posicionamento de marca. Ao ser claro, simples e objetivo fica mais fácil de falar com o consumidor de uma forma consistente ao longo do tempo. – onde a marca quer chegar? – o que a marca de fato entrega para o consumidor diferente dos concorrentes? Manter consistência no investimento. Não adianta fazer grandes picos de investimento e depois sumir. Tem que se manter sempre na cabeça do consumidor para ser sempre a escolha dele na hora de efetivar uma compra ou no mínimo buscar sobre algum produto, assim você fica sempre como uma das opções de escolha do consumidor. A ligação entre as áreas da empresa deve ser muito fortes. Não adianta o marketing querer investir em tal e tal canal mas não ter de fato uma aproximação com o departamento comercial, por exemplo. A equação de valor para o consumidor é muito sensível e deve-se...

Links que fizeram a diferença #10

1. He-Man – Recado para Empreendedores A gente já tinha lição de empreendedorismo quando era criança e nem sabia XD 2. “Se você sofre de ansiedade, inspire profundamente em sincronia com a imagem” Vi no grupo “Transformação Feminina”   3. Confie no profissional que você contratou Muitas verdades escritas. 4. Como meditar em um instante Ao contrário do que muita gente pensa, meditação pouco tem a ver com religião e sim com concentração e comprometimento consigo mesmo. É um exercício que requer muita paciência e se você consegue executar com certeza se torna alguém mais feliz. 5. O que faz você se sentir vivo? 6. Saia, shorts e porta-trecos, tudo em uma só peça Muito um objeto de desejo fazendo jus ao nome do blog. 7. Ignorar a merda não vai fazê-la sumir Texto genial que fala muito sobre o que tentamos sempre evitar mas que é totalmente necessário para nos tornar seres humanos...

Como saber a hora certa de demitir um cliente?

Pois é… A vida toda sempre estivemos do outro lado da mesa, onde somos demitidos ou ameaçados de demissão pelo cliente ou empresa caso não cumpramos com o combinado ou as expectativas dele não sejam atendidas. Mas, o que acontece muito quando somos freelancers é que naturalmente ganhamos o “super poder” de demitir clientes. Pode soar insano e sem fundamento pensar em demitir cliente quando você é a sua própria empresa e ter as contas pagas depende deles, mas é certo que existem clientes que não valem o dinheiro e nem as noites de sono mal-dormidas. Assim como na vida pessoal temos que aprender a falar não, na profissional também. Sinais de que é hora de parar e pensar se está valendo a pena Falta de respeito Se tem algo que a gente não deve tolerar é falta de respeito. Não é porque o cliente paga que ele pode pintar e bordar em cima de você e pra mim, em qualquer relação, se não tem respeito não rola. E a falta de respeito vai desde a maneira como ele te trata e passando principalmente pela maneira como ele trata o seu trabalho e as condições que foram combinadas no ato da contratação. O santo não bate Tem outra situação que aprendi a identificar: simplesmente não consigo trabalhar quando os propósitos e valores do cliente não batem com os meus. Tem cliente que vai tentar o “topa tudo por dinheiro”, que é negligente com a própria marca e imagem, enfim… é hora de pensar se vale a pena mesmo trabalhar com algo contra a sua vontade mesmo que a moeda de troca seja um...

Links que fizeram a diferença #9

Bora pra mais uma semana? 1. Programaê: Como blogar despertou meu interesse por programação Momento jabá pra blogagem coletiva do Rotaroots desse mês. Quando a causa é nobre a gente tem mais é que divulgar e compartilhar! 2. A inveja e a síndrome de Solomon Vi esse post no Twitter e esse é um assunto do qual venho refletido e conversado bastante entre amigos: a inveja e a maneira como a vemos lidamos com ela. 3. Por que você não ganha tanto quanto gostaria? Um texto bem interessante que mostra o outro lado da moeda dessa avalanche de informação gratuita que temos na internet a nosso dispor. Eu já aceitei a minha condição de mera mortal não auto-didata que precisa de cursos presenciais para aprender algo. 4. Somos todos sobrinhos da social media O Juliano levanta aqui uma questão interessante do mercado de social media que vira e mexe vem a tona. Eu, assim como ele, só tenho a agradecer os meus “tios” que tanto me ensinaram e me ensinam até hoje. 5. Coloque na agenda: desconectar uma vez por dia – O que fazer antes de encerrar seu expediente de trabalho todos os dias Dois links que valem por um já que uma coisa puxa a outra. Agora com a vida de freelancer cada vez mais sinto a necessidade de fazer as duas coisas citadas aí em cima. No começo parece que se a gente desconectar ou encerrar o expediente não vai dar conta do que tem que ser feito quando na verdade são esses momentos desconectados que vão recarregar as energias para que a gente consiga encarar...

Programaê: Como blogar despertou meu interesse por programação

Não faz muito tempo que entrei para o time dos “blogueiros” e desde então tenho aprendido muitas coisas que tornaram-se extremamente úteis para o meu dia a dia e profissão.Uma delas foi a bendita da programação. Na verdade, a melhor forma de dizer como a programação entrou na minha vida é através do famoso dito popular: “a necessidade faz o homem” ou, no meu caso aqui, a mulher. Pois bem. Quando comecei a blogar me limitava apenas a inserir o texto no editor do WordPress e um colega meu revisava e fazia todo o paranauê acontecer pro post ficar bonitinho quando postado. Na época, a gente usava o tema padrão e eu cismei que queria um banner no topo com o nome do nosso blog e algumas coisas mais personalizadas. E foi aí que descobri que se não soubesse a tal programação não ia conseguir fazer isso. Em paralelo, na época trabalhava com uma banda e fiquei responsável pela atualização do site de fãs e envio de newsletters e adivinhem com quem eu tive que lidar para deixar tudo personalizado e bonitinho do jeito que eu queria? Ela mesma, a programação. Pra minha sorte, eu sempre tive colegas programadores que quebravam um ou outro galho mas eu tava cansada de depender dos outros pra ter o que eu queria do jeito que eu queria e na hora que eu precisava e foi aí que resolvi ir atrás de aprender a programar. Primeiro tentei os sites com conteúdo gratuito, mas como não sou nada auto-didata, não deu certo. Foi aí que eu não me lembro como, entrei em contato com...