10 coisas que aprendi com relacionamentos

Faz moooointo tempo que não participo do “Meme Rotaroots”  e depois de um longo inverno aqui estou novamente. E entre os temas de blogagem coletiva do mês escolhi o “10 coisas que aprendi com relacionamentos” afinal, tenho falado muito disso por aqui e me espanta que a maioria ainda pense em relacionamento apenas com sentido amoroso/romântico.

A minha lista envolve lições aprendidas com os relacionamentos em geral e sem mais delongas, vamos aos fatos:

1. Se relacionar é uma arte

Sim, dá trabalho, é uma via de mão dupla e se não houver empatia é muito difícil a coisa andar e ser algo legal e prazeroso. A gente sempre entra em um relacionamento achando que é só entrar e pronto, o resto se ajeita. Mas não, é preciso manutenção constante para que as coisas fluam e aconteçam.

2. Nunca esquecer das minhas regras

Posso arriscar dizer que essa lição é o meu “calcanhar de Aquiles”.  Em todos os relacionamentos eu acabo me adaptando e cedendo demais ao ambiente, as regras dos outros, ao que for. Não é errado, mas desde que seja dentro do que você acredita e do que te faz bem. Devem haver concessões sim, mas é bom nunca esquecer que trata-se de uma via de mão dupla e tudo deve acontecer de uma maneira que fique bem para todas as partes envolvidas.

3. Escutar mais e falar menos

Seja durante uma briga, uma discussão, uma conversa, uma negociação, o que for… Escutar mais e falar menos é fundamental. E o escutar não é simplesmente escutar por escutar e sim prestar atenção no que está sendo dito (ou escrito, já que estamos em eras tecnológicas). Muito mal-entendido é evitado e o mais importante:  as consequências horríveis de interpretar algo errado e levar uma má impressão pra casa são minimizadas.

4. Demonstrar meus sentimentos

Eu sou era a rainha da não demonstração de sentimentos e poderia até usar a genética nipônica pra justificar tal comportamento, mas o sangue italiano corre por aqui também e então eu vivia em eterno conflito. Sabe aquela situação onde você quer falar, tem certeza que aquilo é totalmente relevante pro momento mas por medo/insegurança/vergonha/orgulho acaba não falando? Tento não deixar mais isso acontecer. É muito bom se expressar, é muito bom não carregar o peso das palavras não-ditas. Mas claro, tudo tem consequências e também não dá pra sair falando por aí o que bem entende sem achar que isso não irá te afetar.

5. Não me colocar no lugar do outro

A máxima diz “coloque-se no lugar do outro”, mas em relacionamentos isso não funciona muito bem. Me colocar no lugar do outro e achar que ele vai se comportar da mesma maneira que eu me comportaria foi um dos meus maiores erros e a gente sabe que isso não é verdade. Cada um age e reage de forma diferente e não dá pra ficar se justificando com “mas eu pensei que você era igual eu.”

6. Nada é para sempre e tudo pode mudar a qualquer momento

A zona de conforto e a segurança de algo que estamos acostumados são armadilhas pra esquecer que as coisas podem mudar de uma hora pra outra e que aquilo que era lindo maravilhoso pode se tornar o inferno da Terra e vice-versa. Lembrar de manter os pés no chão e olhar para a relação sem expectativas ou como ela realmente é e se apresenta poupa muito sofrimento.

7. Respeite o espaço do outro

Se relacionar é se relacionar e não grudar ou incorporar a vida da outra pessoa ou a rotina do seu trabalho, ou enfim, o que está do outro lado. Somos indivíduos, ou seja, uma pessoa só e não precisamos fazer fagocitose com ninguém. O mais legal de uma relação é unir-se nas diferenças e principalmente respeitá-las sem se ofender ou magoar.

8. Uma andorinha só não faz verão

Ou, “quando um não quer, dois não fazem” e por aí vai… Um relacionamento só existe se existe interesse e comprometimento da outra parte. Aprendi a acionar o botão de alerta quando percebo que estou sozinha na jornada. Muitas vezes a gente carrega o relacionamento nas costas e nem se dá conta que a outra parte já abandonou o barco faz tempo.

9. Falar e perguntar o óbvio

“É óbvio que eu te amo!”, “É óbvio que estou feliz aqui!”, “É óbvio que adoro o meu trabalho!”, “É óbvio que odeio esse lugar!”…. Não, não é óbvio. Não presuma que todos saibam, se lembram e entendam o “seu” óbvio. Não precisa virar o senhor(a)-opinião-formada-sobre-tudo mas saiba que um feedback ou lembrar o óbvio não faz mal a ninguém e evita muito mal-entendido.

10. Divirta-se

Seja qual for a classificação do seu relacionamento, divirta-se! Um relacionamento tem que ser bom, legal, gostoso e dar alegrias na vida. Se for pra trazer coisas ruins, sentimentos que te deixam mal ou qualquer outro tipo de situação que não acrescenta em nada na sua vida, pegue o seu banquinho e saia de mansinho. Ninguém merece ou precisa estar em algo que não faz bem.

 

10-coisas-que-aprendi-em-um-relacionamento-ale-koga

Foto: Shutterstock

Este post faz parte da blogagem coletiva do Rotaroots, um grupo de blogueiros saudosistas que resgata a velha e verdadeira paixão por manter seus diários virtuais.

2 Comentários

  1. Haha eu sou das que fez o meme pensando em relacionamento amoro mesmo! Mas acho que no fim as dicas valem para tudo.

    Tirei as teias do blog por causa do seu tweet. ;p

    bjo!

    Responder
    • Com certeza valem!! Relacionamento é complicado em qualquer setor se a gente não se policiar.
      Adorei as suas lições versão Mama ru, Chris!
      Bjooo

      Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *